Ártico

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Petrobras desliga-se do Ethos - os bastidores


Foi manchete nos principais jornais e blogs do país: a Petrobras se desligou do Instituto Ethos, acusando-o de estar alinhado com grupo político - Governos de SP e MG (leia-se tucanos) - para atacar a empresa. Some-se a isso o fato da Petrobras ter sido excluída do ISE (Índice de Sustentabilidade Empresarial) da Bovespa e não poder mais, segundo normas do Conar (auto-regulamentação publicitária) se declarar em anúncios uma empresa ambientalmente responsável. Entenda bem o que está nos bastidores e levou a essa ruptura.


Na Conferência Internacional Ethos 2008 (http://www.ethos.org.br/Ci2008Dinamico/site/con_noticias.asp?id_noticia=305) uma mesa redonda juntou Petrobras, Conama, Fetrasnpor e Anfavea para debater a Resolução 315 do Conama, publicada em 2002, que promete tornar mais limpo o ar das grandes cidades brasileiras. A ANP demorou 5 anos para definir as especificações técnicas do diesel com menor teor de enxofre, a Petrobras não pôde agilizar a produção do novo combustível, as indústrias automotivas se atrasaram na fabricação dos motores P-6 e os postos de combustível não têm tanques adequados. Assim, agora em janeiro 2009 o resultado efetivo só atingirá 8% da frota brasileira.


Como Oded Grajew, fundador e presidente do Conselho do Ethos é também membro do Movimento Nossa São Paulo e colaborador do governo Lula, foi fácil estabelecer um elo entre todas as partes e colocar o Ethos na berlinda. Ou seja, de espaço para o diálogo aberto entre todos os stakeholders envolvidos em prol de uma causa mais ampla que interessa à sociedade brasileira, a entidade virou o bode expiatório de um protesto da Petrobras (não necessariamente injusto) contra a pressão política que vem sofrendo e que, afinal, é briga entre o PT e os tucanos.
Quer factóide/batalha cultural melhor para protestar do que uma mega-empresa como a Petrobras romper com uma respeitabilíssima ONG como o Ethos ???

Um comentário:

Patricia de Sá disse...

A Rosana, leitora do blog e que esteve presente na Conferência Ethos 2008, me ligou para corrigir uma info: que a ANP foi convidada mas não compareceu à mesa redonda, assim como a Shell. Embora envolvida no assunto, não havia um debatedor da agência na conferência. Grata, Rosana !